.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Malangatana (1936-2011)


4 comentários:

Janita disse...

Caro Fernando Campos.
Lá nos verdes prados, o Malangatana vai ver e gostar da sua homenagem.
Janita

Fê-blue bird disse...

Excelente. Uma maravilhosa homenagem parabéns.

Bjos

Tite disse...

Muito "Malangatana".

Gostei do que disse o amigo Rogério e vim logo a correr.

Vou voltar mesmo sem autorização do "autor"

Cumprimentos

António Durães disse...

Eu estava de serviço na bilheteira do Teatro Garcia de Resende, em Évora. Era noite. Ciclicamente, naqueles distantes anos de oitenta, os alunos da Escola de Formação de Actores do Centro Cultural de Évora entre os quais me incluía, faziam serviços vários de apoio aos espectáculos que lá se realizavam. Ora na bilheteira, ora na frente de casa, etc. Naquela noite eu estava de serviço ali. Não sei quantos bilhetes teria já vendido. Nem sei que espectáculo lá se realizava.
Um tipo de porte generoso, e preto, apareceu na bilheteira. Perguntou pelo Mário Barradas. Disse-lhe já não sei o quê. Creio que não estaria em Évora, porque o homem pede-me uma folha de papel e uma caneta para lhe deixar um recado. À minha frente, o homem rabisca o papel durante uns minutos e, miraculosamente, compôs um desenho com figuras cujos contornos eu reconheci, ignorante do autor mas reconhecendo-lhe o traço, conhecendo sem conhecer. Finalmente assinou: Malangatana.
Entregou-me o papel e a caneta. O papel entreguei-o ao Mário Barradas. A caneta ainda a guardo.