.

domingo, 26 de Outubro de 2014

A união ouropeia

.
É cada vez mais evidente que a “união europeia” foi um sonho lindo que acabou. Isto parece bastante óbvio, excepto talvez para alguma classe política e empresarial portuguesa (as do arco-do-poder); curiosamente as mesmas que em 1961 também “não se aperceberam” do fim inexorável da era colonial. Na realidade, para a classe dirigente nacional, a união europeia nunca passou de uma nova “árvore das patacas” que substituiria a colonial.
.
Convenhamos no entanto que a ideia de uma vasta cooperação entre estados europeus que evitasse a matança a que ciclicamente se entregam os seus povos era uma ideia do caralho. Mas, como muitas boas ideias, revelou-se afinal uma triste quimera. E a sua “prosperidade distribuída” uma fantasia de ouropel.
.
A verdade é que não há utopia da igualdade que não esbarre nesse estrupício que é o dinheiro como valor supremo. Por isso sempre me pareceu um tanto exdrúxulo querer edificar uma espécie de utopia igualitária com base no capitalismo e nas leis do mercado –- é um pouco como se Vasco da Gama tivesse escolhido ir à Índia pela linha da Pampilhosa.
E querer fazê-lo com a colaboração de estafermos como o “nosso” zémanelBorroso também não terá ajudado. O seu legado é uma Europa mais desigual, desequilibrada e cada vez mais potencial palco de conflitos. O fundamentalismo monetário da sua comissão despertou por todo o continente velhos fantasmas (racismos, regionalismos, patriotismos e outros velhos preconceitos de opereta que se presumiam ultrapassados pela educação cívica e pelo bom-senso de uma certa cultura geral) que podem precipitar de novo a velha Europa naquilo que se pretendeu evitar com a criação da União Europeia.
.
A obtusa comissão burrosa conseguiu até o feito de fazer o velho fascismo inglês (sempre larvar mas residual) ganhar representatividade eleitoral. Por isso agora é David Cameron que, em arroubos populistas, diz que a sua pérfida albion não paga; há-de pagar, claro - mas não sem antes sacar, como é evidente e habitual, mais umas quantas contrapartidas, em privilégios ou em géneros.

É também esta prática de benefícios exclusivos pra uns que consagra a marginalização dos outros e prova a inexorável falência moral de uma tão alegada como pífia união “de iguais”. 
.
O sonho lindo do oásis de paz, cooperação e livre circulação revelou-se um pesadelo: um novo triunfo dos porcos cuja narrativa da inevitabilidade repete ad nauseam (para consolo das almas cínicas ou resignadas) que haverá sempre uns mais iguais que outros e mainada.
.

sexta-feira, 24 de Outubro de 2014

O nome da coisa

.
O senhor Manuel Vals, primeiro-ministro da república francesa, quer mudar o nome do seu partido. 
A verdade é que este, que até agora se tem chamado “socialista”, deixou há muito de o ser. Se é que alguma vez foi. Por isso, il faut trouver un nom. Le Nom. Vite vite.
Mas a tradição, em Portugal, ainda é o que era. Isto é, tudo o que acontece em França, tarde ou cedo, repercute-se aqui na choldra  - e sempre em mais cómico - por isso eu já estou que nem posso. De curiosidade.

Enfim, para saber que caralho é que eles vão chamar àquilo, nom de dieu, nomdedieu.
.

sábado, 18 de Outubro de 2014

Zé Oliveira

.
A cooperativa Trevim, da Louzã, está a comemorar o 47º aniversário do seu jornal “Trevim” e o 30º do “Bronkit”, o seu suplemento humorístico.
Integrada nas comemorações consta uma homenagem ao caricaturista Zé Oliveira e também ao seu personagem “o Broncas”, nascido nas páginas do Bronkit.

No passado dia 4 foi inaugurada uma exposição com uma retrospectiva dos 30 anos do Broncas e com 30 desenhos de homenagem realizados por 30 artistas amigos.

Hoje, dia 18, (pelas 15h, no Museu Etnografico Dr. Louzã Henriques) será lançado um álbum com esses desenhos - assim como um Bronkit especial.

Para Osvaldo Macedo de Sousa, grande conhecedor do humor gráfico em Portugal, o Broncas é uma espécie de zé-povinho – “um pobre mas atento serrano com coragem para dizer o que pensa”.

Instado por Osvaldo, que comissariou a exposição, não quis deixar de participar nessa justíssima homenagem. Enviei o desenho acima. Foi o que me ocorreu para dizer o que penso do grande Zé Oliveira. 
.

quarta-feira, 15 de Outubro de 2014

Aécio Neves

.
Aécio Neves é o candidato da direita à presidência do Brasil. Aécio representa aquilo que de mais reaccionário e medieval ainda existe no Brasil. Recentemente recusou-se a assinar o compromisso contra o trabalho escravo; o que não deixa de ser natural, ele é o candidato natural da casa grande.
.
Diz que Aécio tem hipóteses. É esse o paradoxo da "democracia representativa"*

Outro candidato de casa grande acabou de vencer eleições, mas em S. Tomé e Príncipe. E com o babado apoio de uma curiosa coligação de políticos portugueses. É verdade, uma patusca comitiva de personalidades representantes do arco do poder, dos negócios e do que há de mais retrógado na antiga metrópole (onde pontificava alegremente, entre outros sucialistas, o inenarrável deputadinho figueirinhas Joãozinho Portugal, que já retratei aqui), andou pla sanzala desse pobre paraíso equatorial a subscrever manifestos em defesa da democracia(!) a apelar ao voto no senhor do engenho local, um tal de Patrice Trovoada.
.
Não se sabe se também pretendem ir ao Brasil declamar o seu apoio a Aécio (talvez não, duvido que esse devaneio neo-colonial fosse encarado por lá, mesmo pelos senhores da casa grande e do engenho, com a mesma bonomia dos santomenses). 
Mas a verdade é que o possível triunfo de Aécio é o sonho molhado destes senhoritos. Seria a utopia de Gilberto Freyre materializada no século vinte e um.  A vitória, tri-continental e em toda a linha porque “democrática”, da casa grande sobre a sanzala. A consagração, supõem eles que definitiva, do sempiterno fadinho luso-tropical - esse lirismo alarve da fatal, e resignada, iniquidade.

*confesso que tenho muitas reservas quanto àquilo a que chamam “democracia representativa”. Sempre me causou perplexidade o paradoxo iníquo e obsceno de um sistema no qual o voto de quem acredita na desigualdade vale o mesmo que o voto de uma pessoa decente. Não devia valer. 
.
.

terça-feira, 14 de Outubro de 2014

Adonis (Ali Ahmad Said Esber)



                                                 -

                                                 -

                                                O que é o vento?
                                                alma que não quer
                                                habitar o corpo.

                                               O que é a morte?
                                               carro que leva
                                               do útero da mulher
                                               ao útero da terra.

                                               O que é a lágrima?
                                               guerra perdida pelo corpo.

                                               O que é o desespero?
                                               descrição da vida na língua da morte.

                                               O que é o horizonte?
                                               espaço que se move sem parar.

                                               O que é a coincidência?
                                               fruto na árvore do vento
                                               caindo entre as mãos
                                               sem se saber.

                                               --

                                               O que é a memória?
                                               casa habitada só
                                               por coisas ausentes.

                                               O que é a poesia?
                                               navios que navegam, sem portos.

                                               O que é a metáfora?
                                               asa aliviando
                                               no peito das palavras.

                                               O que é o fracasso?
                                               musgo boiando no lago da vida.

                                               O que é a surpresa?
                                               pássaro
                                               que escapou da gaiola da realidade.

                                               O que é a história?
                                               cego a tocar tambor.

                                               O que é a sorte?
                                               dado
                                               na mão do tempo.

                                               O que é a linha reta?
                                               soma de linhas tortas
                                               invisíveis.

                                               O que é o umbigo?
                                               meio caminho
                                               entre
                                               dois paraísos.

                                               O que é o tempo?
                                               veste que usamos
                                               sem poder tirar.

                                               O que é a melancolia?
                                               anoitecer
                                               no espaço do corpo.

                                               O que é o sentido?
                                               início do não sentido
                                               e seu fim.

Guia para viajar pelas florestas do sentido”- tradução do árabe por Alberto Mussa, in Os Poemas Suspensos (antologia) – Record, 2006 - Brasil. (daqui)
.

domingo, 12 de Outubro de 2014

Roberto Saviano

Actualmente os grandes cartéis não utilizam
(ou utilizam menos) os paraísos fiscais,
usam a banca europeia
Roberto Saviano
.
.

sábado, 11 de Outubro de 2014

Gilles Deleuze







Être de gauche c’est un affaire de perception: d’abord penser le monde,
puis son pays, puis ses proches,
puis soi; 
être de droite c’est l’inverse
Gilles Deleuze







quarta-feira, 8 de Outubro de 2014

Quino

Não é verdade que todo o tempo passado foi melhor. 
O que acontecia era que os que estavam pior 
ainda não se tinham dado conta
Mafalda
,
Não parece que já passaram tantos. 
Ela, naturalmente e como sempre, contestá-lo-ia.

A verdade é que, salvo sobre a cabeça do seu criador (e sobre a minha, que sou da idade da sua genial criatura), está tudo como dantes. No quartel de Abrantes.
.

terça-feira, 7 de Outubro de 2014

Cultivar o riso

.
Rir de tudo é de tontos; não rir de nada é de estúpidos
Erasmo
.
Apesar de achar o humor um bela panaceia para a vida, a verdade é que ele é inacessível a uma vasta gama de pessoas. Isto é, há gente cujo riso não passa pelo entendimento - o seu cerebrosinho blindado é inexpugnável tanto à mais fina ironia como ao mais espesso sarcasmo. O problema é que é gente que não se cala, busca sempre a última palavra; e há deles que até o fazem com inefável espírito circunspecto e rasteira elevação. Só visto.
.
Para Balzac, “a estupidez tem duas maneiras de ser: ou se cala ou fala. A estupidez muda é suportável”. Mas eu não tenho ilusões; sei que é impossível calá-la. A “estupidez muda” é um sonho lindo mas inexequível, uma quimera. Tal como a quadratura do círculo, a reencarnação ou a sociedade sem classes, ela é uma utopia, uma “impossibilidade matemática” - ou seja, um problema “com mais incógnitas do que equações”.
Mas há mais. E pior – há “impossibilidades matemáticas paradoxais”, que são aquelas que já nascem resolvidas: é impossível, por exemplo, explicar a estupidez a um imbecil, ou discutir religião com um convertido, ou política com um prosélito – porque eles já têm a solução.
.
O único remédio é resignar. Deixá-los falar. Quiçá até incentivá-los. Com uma boa e velha expressão popular figueirense. 

Depois de lançados, são imparáveis. 
Bem sei que é diversão que deve parecer pouco edificante. Que se foda. 
Antes isso do que chorar.
.

sábado, 4 de Outubro de 2014

A imagem gráfica do verbo popular

.
Existem expressões orais que, usadas na linguagem de todos os dias, consubstanciam idiossincrasias regionais, ou seja, identificam uma vasta e diversa gama de pessoas que as partilham e entendem. 
Estas expressões, algumas de origem obscura, condensam a “sabedoria popular” no achado engenhoso e surpreendente de uma frase curta, incisiva, por vezes maliciosa ou rude. Repetidas de geração em geração, cristalizam a experiência das “coisas da vida” num humor filosófico cuja aparente ingenuidade é sempre condimentada ou contrariada pela veemência da intenção desencantada ou da atitude jocosa. Estas expressões são um património valioso porque são o nervo vivo daquilo que se chama identidade cultural.  
.
Todas as terras tem o seu património destas “frases feitas”. A Figueira da Foz também. Quem não conhece expressões tão peculiarmente figueirenses como: “’tá o mar um cão”, “fumo pra tavarede”, ‘tá cheiroso este bueiro”, “trinta mares te comessem”, “’pera aí que já cospes”, etc., etc.?
Há tempos ocorreu-me desenhar uma “expressão visual” ou “imagem gráfica”, para cada uma destas conhecidas expressões populares figueirenses. Pode ser que um dia me resolva editá-las numa colecção de cartões-postais, ou, pior ainda, a imprimi-las em t-shirts (diz que há mercado para tudo).
.
Isto vem a propósito de um pentelho que se propôs (cheio de eufemismos, como um genuíno figueirinhas) insultar-me sem o fazer: o desinfeliz (que diz chamar-se Rui Beja e se supõe uma espécie de porta-voz oficioso da Câmara Municipal) “presume” que eu sou “profundamente ignorante” porque “não quer crer” que “haja má-fé” no teor deste cartoon, que me foi suscitado por esta notícia, e que editei no blog do meu amigo Agostinho.
.
Ora quanto a fé, batatas – não fui agraciado com qualquer delas; nem boa, nem má, nem assim-assim – e receio que não haja nada a fazer.
Já quanto a ignorância, fui apanhado, reconheço-o - há, de facto, demasiadas coisas que ignoro. Contudo, sei que nada sei, e isto tem-me permitido aprender, tomar conhecimento, entender uma data de outras coisas intangíveis a lambe-cus como o senhor Beja. Por exemplo esta: a democracia é (ou devia ser) o governo através da discussão. Ora uma sessão de esclarecimento não é o mesmo que uma discussão pública  – uma é vertical, de cima pra baixo; outra é horizontal, uma coisa entre iguais – na primeira, o consenso é o triunfo de quem dá as respostas (em geral já prontas); no segundo o consenso é a satisfação das aspirações, ou da simples curiosidade, de quem faz as perguntas, ou seja, a democracia.
.
Outra das coisas que me tem permitido o reconhecimento da minha ignorância (e que visivelmente também não está ao alcance do senhor Beja) é o entendimento da função do humor em sociedade: a mim desopila-me o fígado e permite-me comentar a iniquidade do mundo com um olhar distanciado e uma certa urbanidade; isto é, sem ceder a arroubos mais primários, como o insulto soez ou a bomba. Mas igualmente sem eufemismos. Eu mato a cobra e mostro o pau.
.

Por isso decidi editar aqui hoje uma das minhas “expressões visuais” de um dito popular figueirense que talvez elucide o senhor Beja e outros pentelhos.
,