.

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Luís Amado e a diplomacia solícita



Condoleeza Rice visitou Lisboa há menos de um mês. O ministro das Necessidades anunciou esta semana, com aquele seu enfastiado ar blasé, aquilo que já todo o mundo tinha depreendido: o governo português reconhece a independência do Kosovo.
Depois do muito solícito apoio incondicional à palermice do Iraque, este é, em poucos anos, o segundo brilharete “visionário” da nossa diplomacia! Com inevitáveis, previsíveis, preversas e duradouras consequências.
Por isso, depois de Durão Barroso ter servido os cafezinhos nas Lajes, desenhei o ministro Amado de libré, como os mais solícitos mordomos. É que, aos nossos “diplomatas” não lhes pagamos para pensar, apenas para "servir".
.

1 comentário:

Afectos disse...

gosto particularmente du petit au grand convencido(s).