.

domingo, 22 de novembro de 2015

Luis Dourdil

.

Em França, Sarkozy defende a reinstauração da pena de morte, ainda que apenas para os suicidas. Hollande, por sua vez, declara guerra a uma obscura e claramente mafiosa entidade muito mais do que apenas vagamente patrocinada pelo seu maior aliado. Assim vai a doce França. O cumprimento das sacrossantas metas do défice vai às urtigas por via das novas prioridades da segurança e da gastança militar. As acções das empresas de armamento sobem em flecha. Que se foda o tratado orçamental, n’est ce pas, monsieur le president? Os mercados estão esfuziantes.
. 
Entretanto, na república das bananas de portugal, o rei aníbal cavaco reuniu os lordes. Banqueiros, ex-ministros das finanças e outros ex-notáveis mais ou menos aposentados. Em câmara ardente. De olhos vermelhos e pingo no nariz lá desfilaram um após outro na ante-câmara do salão do palácio de Belém, todos muito tementes a deus e aos mercados, todos muito preocupados com o cumprimento das metas do défice, dos tratados internacionais, e igualmente ciosos das suas pêpêpês e outras prorrogativas e propriedades, agora ameaçadas plos avanços dos comunistas.  
Tudo indica que suachelência, que já tinha estudado todos os cenários e previsto todas as possibilidades, quer saber se há-de dar posse a um governo legitimado por uma maioria absoluta em uma assembleia acabadinha de ser eleita. A verdade é que nem foi preciso convocar a  bruxa Maia para consultar o zombie de Santa Comba. No país do cavaco, esse anibal-político, a democracia é uma batata: o povo vota e no fim é o senhor presidente do conselho que decide quem governa, aconselhado pla brigada do reumático dos mercados.
.  
Mas a vida não é só telenovela. Há mais. E muito melhor. Há Shakespeare. E ópera. E a pintura, claro. Esta “antes de tudo”, como dizia o pintor Luis Dourdil.
.
À divisão de cultura da Câmara  Municipal da Figueira da Foz deve ter sobrado algum do que habitualmente destina a entreter o pagode, à animação de massas.
Assim, depois da grande noite dos esqueletos (que em monumental autedór halloweenesco prantado à entrada da cidade pretendia cativar os fedelhos para as maravilhas do entretenimento no museu) tudo indica que ainda foi possível reunir algumas sinergias para trazer à Figueira uma das exposições que comemoraram, ao longo deste ano em Lisboa, o centenário de Luis Dourdil. Uma exposição de pinturas e desenhos (e que desenhos!) de um pintor cujo percurso “construído fora da academia” e voluntariamente “excluído dos circuitos comerciais” lhe permitiu construir - “longe do reconhecimento do grande público”, de forma quase silenciosa, ao longo de décadas - uma obra densa, exigente e coerente, de uma sensibilidade reflexiva contida mas exuberante e sofisticada.
Na cidade que habitualmente se rebola de regozijo na sazonal mediocridade das manualidades da arte de pequeno formato e se deleita com outras manifestações do mesmo canhestro amadorismo armado aos cágados, isto é uma tijolada no charco; um despropósito irreverente, uma excêntrica bizarria. É uma prenda. Um luxo – isto lava os olhos a um homem.
.

Ide ver. Até 31 de Janeiro. No Museu Municipal Dr. Santos Rocha, na Figueira da Foz. Ainda por cima é de borla.
.

2 comentários:

Rogerio G. V. Pereira disse...

Fosse a Figueira logo ali...

cid simoes disse...

Luis Dourdil - fiquei maravilhado com os seus trabalho.Como é possível não haver divulgação dos nossos valores? Mais uma vez obrigado Fernando.