.

domingo, 16 de dezembro de 2012

Isabel Jonet


.
Isabel Jonet é a nova diva dos descamisados portugueses – uma espécie de madona da troyka, um rosto humano da austeridade.
.
Jonet gosta muito dos pobrezinhos porque sem os pobrezinhos ela não poderia praticar a caridade. Jonet gosta muito de praticar a caridade – sem esta não haveria helas sequer pobrezinhos nem calor humano. É por isso que Jonet prefere a caridade à solidariedade social, essa coisa fria e impessoal.
.
O governo de Portugal (e a sua maioria e o seu presidente) também gosta aliás muito da caridade e dos pobrezinhos. Por isso mesmo patrocina, com o dinheiro dos impostos dos portugueses, a empresa da doutora Jonet, o Banco Alimentar contra a Fome. É assim: lança os cidadãos na pobreza (liberalizando despedimentos, aumentando impostos, reduzindo salários e pensões) e sonega verbas à solidariedade social, que deposita, como investimento, no Banco Alimentar da doutora Isabel Jonet. 
Mas os portugueses em geral também gostam muito da caridade e dos pobrezinhos e da doutora Jonet. Para além do contributo em cash, via orçamento de estado (com o alto patrocínio do governo, da maioria e do presidente), os tugas também contribuem, em géneros, para a empresa Jonet, em alegres e televisionados donativos para as grandes superfícies comerciais. É um espectáculo. Só visto.
.
No entanto, Isabel Jonet acha ainda assim que não existe miséria em Portugal - os portugueses é que têm “que se habituar a viver com menos”, ou seja, têm que gostar de ser pobrezinhos. Isto, claro, se quiserem continuar a ser ajudados pelo Banco Alimentar, a empresa Jonet contra a fome.
.

2 comentários:

João Temtudo disse...

José Pacheco Pereira escreveu na revista Sábado, edição desta semana, um texto exemplar. Recomendo vivamente a sua leitura, que, além do mais, prova que o alinhamento político, ideológico ou partidário não tem que significar necessariamente cabotinismo, seguidismo, carreirismo e o fim da capacidade de pensar por si próprio (e isto vale para todo o espectro político-partidário). Diz ele, a determinado passo: Este tipo de ideias sobre a pobreza são ofensivas da dignidade humana e implicam uma relação humilhante entre quem dá e quem recebe, em particular quando a caridade se mistura com conselhos de como se deve viver, uma arrogância moral insuportável face a quem não pode viver como queria. “Leve lá uma esmola, mas não a gaste em vinho”.

Nesta mesma semana, numa reportagem da RTP sobre a pobreza e as crianças, Isabel Jonet explicava – e sem se rir, reparem! – que as crianças que têm como única refeição a do almoço na cantina escolar não passam fome; passam algumas carências alimentares; fome passarão as crianças de África, que comem, quando muito, uma tigela de arroz por dia! Entende-se a filosofia subjacente: sendo assim, a caridade resolverá os problemas, que não são de tão grande monta assim. Então não dizia, já, o banqueiro, acerca do povo e da austeridade: ai aguenta, aguenta? Aliás, eu próprio já aqui expliquei, há dias, que o mal foi terem deixado o povíléu patusco e labrego habituar-se ao leitinho matinal, aos hambúrgueres e outras guloseimas, a frequentar a escola e a aprender a ler, tudo levando a que agora tenham de ser reajustados em baixa. Valh-nos que não são muito recalcitrantes!

E se essas crianças pudessem dizer e explicar-nos – e já agora também aos donos da caridade – se o que sentem é carência alimentar ou, ao invés, é mesmo fome?!

Quando as barrigas estiverem ainda mais vazias, e forem vergonhosamente muitas, vão ver que as almas caritativas arranjarão outros argumentos e justificações. Ao tome lá, mas não o gaste em vinho, acrescerá o ora essa, ainda ontem lhe dei, já o comeu todo? lá está outra vez você no vício. E então, à semelhança do que nos contam Aquilino Ribeiro e Miguel Torga acerca dos bandos de pobres que vagueavam de aldeia em aldeia, os novos pobres terão que vaguear também, e de mostrar as mazelas, as peles ressequidas, as feridas e os dentes escorbutados, condição necessária para comover as tais almas caridosas e sensíveis. Vá lá, vocêzimho, tome lá um prato de sopa, e não abuse, volte prá semana que o seu mal não é fome, é só carência alimentar.

Ai não, que não aguentam!

Entretanto, os jornais dão conta de que um banqueiro - de entre muitos outros - continua a levar, dos cofres públicos ou do dinheiro roubado, € 170.000,00 por mês de aposentadoria – isso mesmo, cento e setenta mil euros, ou seja, o correspondente a 450 (isso mesmo, quatrocentos e cinquenta) salários mínimos nacionais.

Está tudo muito justo, ou não?

O que você tem é inveja - que eu saiba, nem sequer vai à televisão!

cid simoes disse...

O que me preocupa é se a Jonet cai sobre o marzápio que está em baixo.